Pontas, Quinas e Beiradas

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Morri...

Meu enterro...

Em uma noite chuvosa e solitária, despeço-me de tudo o que vivi, de todos com quem vivi.
Deixarei a gélida brisa inebriar meu corpo e dedicarei meu sossego a mim mesma.

Em uma manhã ensolarada,
Com o sol se preparando para esquentar todo o resto do dia, todos sentem, menos eu, o doce calor da vida.
As pessoas continuam vivendo, o tempo continua passando, os carros não param e os passaros ainda cantam,
Mas algumas pessoas, dedicam um tempo de suas vidas à mim, à minha memória.
Não sei se a quantidade é exorbitante ou se todos juntos caberiam dentro de um onibus, dentro de um carro...
(mas isso nem me importa, pelo menos tem gente aqui).
As pessoas choram, lembram de coisas que nem eu mesma lembrava.
As pessoas lamentam..., algumas pelo ocorrido, outras pelo tempo perdido.

Será que está bem agora?
Algumas delas, afirmarão, mas terá aquela pessoa que saberá que eu nunca gostara dessa situação.

Alguém chorará de verdade ao se lembrar que eu jamais estarei presente novamente?
Alguem lamentará sinceramente, sempre que lembrar de tudo que fora vivido comigo?
Além de minha mãe e meu pai, e todos os outros da familia (todos os ausentes e esquecido por mim), alguém lamentará minha partida?

Quem estará ao lado de meu corpo inerte?
Quem cuidará para que nenhuma mosca pouse?
Quem arrumará minhas roupas, meu cabelo, minhas flores?
Quem impedirá que abusem na maquiagem?
Quem saberá escolher minhas flores preferidas?

Alguem ascenderá as velas, pensara em fazer um discurso ou ascenderá um incenso?
Quem consolará minha mãe por mim?

Enquanto estiverem lá, estarei tranquila e serena, preocupada apenas com o peso da terra.
Beijarei minha mãe pela última vez.
Abraçarei meu amor com todo o calor que a meu corpo e alma não mais pertencerá.
Apreciarei a presença de todos os que estiverem por lá.

N'uma tarde triste e fúnebre, serei deixada para traz.
Sobrará apenas as lembranças e as lágrimas
(Queria até um alguém escandaloso para gritar por mim)
Depois da terceira camada de terra, todfos saberão o que aconteceu, Não terá mais volta, tudo acabou...
A Jeannine Morreu!



Rio de Janeiro: 19. 09. 2008

Jeannine Xavier

4 comentários:

Palavras ao vento, minha vez de falar disse...

aiiii je que lindo!!! mais ao mesmo triste mto triste....se isso
fosse verdade nao me conformaria nunca!!!aiaiiiii....
nem quero pensar...
e voce trate de viver por muito tempo hein moçinha
bjao
fadett

Don.t disse...

vc nunk vai morrer em mim..
=)

Erick Araki disse...

vixe...q bizarro...muito bem escrito mas bem triste hein.......saudades^^

Erick Araki disse...

^^ valeu^^.......te adoru minina^^